Recursos digitais viáveis em sala de aula

Na edição do curso “Escola com Celular – o uso de dispositivos móveis na Educação”, realizada entre os meses de março e julho de 2014, os professores participantes foram convidados a responder a uma enquete por SMS. Optou-se pelo uso dessa ferramenta por ser um recurso acessível a todos os celulares.

Ao todo, 784 cursistas participaram da enquete, dando sua opinião sobre a possibilidade de uso de dispositivos móveis como recursos didáticos na escola. A maioria dos professores respondeu que vídeos e fotos têm uso potencial, enquanto apenas 2% acreditam que mensagens e mapas digitais podem ser viáveis em sala de aula.

Pode-se afirmar, em função dos resultados da enquete, que é possível trabalhar recursos digitais para ilustrar um assunto, coletar dados, compartilhar conteúdos das aulas etc., sendo que fotos e vídeos parecem ser os mais próximos da realidade ou os mais acessíveis. Os conteúdos curriculares estimulam ainda mais o interesse dos alunos quando relacionados com situações reais.

Uma das professoras do curso desenvolveu uma atividade, relacionando Geometria e Reciclagem, com os seus alunos do 9º ano. O objetivo era a criação de um mosaico geométrico feito com materiais recicláveis. Para chegar a esse resultado, os alunos deveriam fazer uma pesquisa na internet e se comunicar por SMS e pelo Facebook. Além disso, os alunos realizaram uma campanha sobre o descarte correto dos resíduos domésticos e distribuíram panfletos de conscientização produzidos por eles mesmos. De acordo com a professora, o trabalho tinha como finalidade o aprendizado de figuras geométricas, o desenvolvimento da criatividade e a utilização de materiais recicláveis.

E você, que tipo de recurso usa (ou já usou ou tem vontade de usar) em sala de aula com os seus alunos?

 

Celular na sala de aula

Você já parou para pensar por que e de que forma os professores podem utilizar o celular em sala de aula? Seria viável trabalhar com esse dispositivo? Se sim, em qual(is) contexto(s)? Foi pensando nessas questões que o curso “Escola com Celular – o uso de dispositivos móveis na Educação” abriu a sua primeira web aula.

Segundo um estudo da Agência de Telecomunicações da ONU, o número de celulares no Brasil, em 2001, era de 23,6 milhões, enquanto, em 2014, esse número aumentou mais de dez vezes, atingindo a marca de 272,72 milhões. A pesquisa indica ainda que atualmente as pessoas são impulsionadas a utilizar o aparelho cada vez mais cedo. Uma prova disso está na pesquisa “Gerações interativas Brasil – crianças e adolescentes diante das telas”, realizada pela Fundação Telefônica, em 2012. A pesquisa aponta que 44,5% das crianças ganharam o primeiro celular entre 10 e 12 anos.

Partindo do princípio de que os jovens acessam as tecnologias móveis cada vez mais cedo, o que será que eles têm a dizer em relação ao uso (ou não) desses recursos em sala de aula? De acordo com a pesquisa “O que pensam os jovens de baixa renda sobre a escola?”, realizada pelo Cebrap, em 2012, os jovens reclamam sobre a falta dos recursos tecnológicos em sala de aula. Numa época em que os recursos estão disponíveis com mais facilidade, cabe a pergunta: Por que não aproveitar o acesso generalizado aos dispositivos móveis na Educação? O conteúdo pode (e deve) ser articulado ao currículo e à realidade das escolas.

O celular pode ser usado, entre várias possibilidades, para registrar, socializar informações e construir redes de aprendizagens. Que tal aproximar a escola do que é familiar aos alunos para, assim, ampliar as possibilidades de aprendizagem?!